Horário de Funcionamento: Seg – Sex | 07:45h às 11:45h – 13:15h às 17:45h

Construção e serviços puxam o PIB paulista

A recuperação da construção civil é um dos aspectos mais destacados do desempenho da economia do Estado de São Paulo ao longo do ano.

No terceiro trimestre, o setor registrou taxa anual de crescimento de 2,6%, como consequência da expansão do mercado imobiliário para estratos de renda mais alta, de acordo com as mais recentes Projeções do PIB do Estado de São Paulo divulgadas pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade).

No terceiro trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) paulista cresceu 0,1% na comparação com o trimestre anterior. Na comparação do acumulado dos quatro últimos trimestres com igual período anterior, a expansão é de 2,0%.

Com os novos resultados, as projeções para a expansão do PIB de São Paulo em 2019 passaram a ser de aumento mínimo de 1,9%, máximo de 2,3% e médio de 2,1%.

Será um desempenho bem melhor do que o da economia brasileira, que, de acordo com as projeções predominantes no mercado, deve crescer 1% ou pouco mais.

Mesmo que alcance os resultados projetados, o PIB paulista ainda será cerca de 6% menor do que o registrado no terceiro trimestre de 2013, pouco antes do início da crise que atingiu a economia brasileira por dois anos.

Para a economia paulista, o pior momento dessa crise foi o terceiro trimestre de 2016, quando o PIB foi quase 10% menor do que o do final de 2013. A recuperação da atividade econômica vem sendo contínua nos últimos três anos, mas é lenta.

É, também, uma recuperação desigual, quando examinados os setores que compõem o PIB.

Ao desempenho destacado da construção civil contrapõe-se a fraca atividade da indústria de transformação, que registrou queda de 0,9% no resultado acumulado dos últimos quatro trimestres.

Já o setor de produção e distribuição de eletricidade, gás, água, esgoto e limpeza urbana teve crescimento de 1,7%; o de serviços, de 3,1%; o comércio, de 3,3%; e os demais serviços, de 3,2%.
Na avaliação dos técnicos da Fundação Seade, “o diferencial da economia paulista em relação à brasileira decorre do desempenho dos serviços, do comércio e da construção civil”.

Para 2020, a instituição prevê que haverá convergência das taxas de crescimento de São Paulo e do Brasil. As projeções são de aumento de 1,8% do PIB paulista e de 1,9% do brasileiro.

Fonte: http://www.grandesconstrucoes.com.br/Noticias/Exibir/construcao-e-servicos-puxam-o-pib-paulista

Rolar para o topo